Foto: reprodução

por Clara Gibson,

A Bahia obteve nota 4,7 no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) 2017. Apesar de ter superando a meta de 4,1, proposta pelo Ministério da Educação (MEC), o número apresentado pelo estado está abaixo da média nacional, que foi avaliada com 5,8. Em todo o país, apenas três estados não alcançaram as metas do MEC, entre eles o Amapá, Rio de Janeiro e o Rio Grande do Sul. O estado do Ceará obteve destaque por ter superado a meta proposta para 2017 em 1,4 ponto. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (3) pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Os resultados são apresentados em uma escala de 0 a 10. O índice é calculado a cada dois anos e leva em conta os anos iniciais e finais do ensino fundamental e o ensino médio. Na Bahia, o município de Itatim foi o que apresentou a melhor nota no 5º ano do ensino fundamental, avaliado em 7,1 e superando a meta em 3,2. A cidade de Licínio de Almeida apresentou a segunda melhor média estadual, alcançando a nota 6,8. Os municípios também foram os dois melhores em português e matemática, de acordo com a avaliação do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) em 2017 (veja aqui). Entre os piores índices do primeiro ano do ensino fundamental, Biritinga foi o município que obteve pior avaliação do estado no 5º ano, com nota 3,3. Dos 417 municípios existentes na Bahia, apenas 16 apresentaram nota maior ou igual a 6. Três municípios não foram avaliados. A respeito do 9º ano, o melhor município baiano foi Licínio de Almeida, avaliado com 6,0, superando a meta em 4,3. Em segundo lugar, ficou o município de Jacaraci, com nota 5,5, mesmo número proposto como meta pelo MEC. Os piores municípios da Bahia no ano de saída do ensino fundamental foram Itamari e Jussari, empatados com nota 1,9. A pesquisa não avaliou a qualidade do 9º ano em 21 cidades.

Foto: Felipe Oliveira / Divulgação / EC Bahia

por Ulisses Gama,

O atacante brumadense Júnior Brumado, do Bahia, foi convocado para a Seleção Brasileira sub-20, que vai disputar amistosos contra  México e Japão, na Cidade do México. Ele se apresenta no dia 3 de setembro e, com isso, vai desfalcar o Tricolor nos jogos do Brasileirão contra Sport e São Paulo. Com 19 anos de idade, Brumado é o único atacante do grupo que joga em um clube do Brasil. Além disso, sua convocação é a única a representar a região Nordeste. Ele já marcou cinco gols pelo Bahia na temporada 2018.

Foto: reprodução

Na segunda-feira (16), as agências da Caixa voltaram a aceitar o pagamento das contas da Coelba. O impasse começou quando, de acordo com a Coelba, a Caixa apresentou um reajuste de 54% no valor da tarifa por fatura arrecadada, o que fez o serviço inviável para a companhia de energia. Desde o dia 1º de junho deste ano, as casas lotéricas de Salvador e outras cidades do interior não recebiam mais o pagamento dos boletos de energia. Segundo a Coelba, a Caixa apresentou um reajuste de 54% no valor da tarifa por fatura arrecadada. Os baianos enfrentaram longas filas para conseguir pagar as contas em questão. Após audiências, a Coelba e a Caixa entraram em acordo e as faturas de energia voltam ao modelo anterior, nas casas lotéricas e agências da Caixa.

Foto: Divulgação

O Ministério da Saúde alertou para o alto risco de retorno da poliomielite em pelo menos 312 cidades brasileiras, publica o Estadão. Na lista de maior risco para a pólio estão municípios que não atingiram 50% da cobertura vacinal (a recomendação é de que a cobertura seja superior a 95%). A situação mais grave é na Bahia, onde 15% dos municípios imunizaram menos do que 50% das crianças, seguido do Maranhão, com 14,29%.

Foto: Divulgação

Por Correio 24 horas,

A Bahia registrou 207 casos e 27 mortes causados pela gripe H1N1 neste ano, segundo dados divulgados na quarta-feira (27) pela Secretaria da Saúde do Estado (Sesab). Os números foram registrados até o dia 23 de junho, de acordo com a pasta. Ao todo, são 1.326 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) no ano, com 107 mortes. Destes, 277 foram por conta da influenza - a H1N1 é um subtipo da doença.  Foram confirmados casos de gripe H1N1 em 51 municípios do estado - 15 deles registraram mortes. Em Salvador, foram 13 óbitos em decorrência do vírus. Os outros municípios que registraram mortes foram Apuarema, Camaçari, Feira de Santana, Irará, Juazeiro, Lauro de Freitas, Monte Santo, Morro do Chapéu, Retirolândia, Saúde, Sapeaçu, Serrinha, Uruçuca e Vitória da Conquista, cada um com uma morte. A faixa etária de maior ocorrência de SRAG são os maiores de 60 anos e os menores de cinco anos, sendo que 59,25% dos óbitos ocorreram nesses grupos. Existem três tipos de vírus influenza/gripe que circulam no Brasil: A, B e C. O tipo C causa apenas infecções respiratórias brandas, não possui impacto na saúde pública, e não está relacionado com epidemias. O vírus influenza A e B são responsáveis por epidemias sazonais, sendo o vírus influenza A responsável por grandes pandemias como a da H1N1. A vacina contra gripe ofertada no Sistema Único de Saúde (SUS) protege contra estes tipos de três vírus.

Páginas