Foto: Reprodução / Teixeira News

Balanço da Operação Carnaval registrou cinco mortes e 28 feridos (10 em estado grave) em 56 acidentes nas rodovias baianas. O levantamento levou em consideração as ocorrências feitas entre 8h da última quinta-feira (23) até o meio-dia desta quarta (1°). Conforme o balanço, os acidentes mais graves ocorreram nas BAs 522, 120, 506 e 001. Os acidentes com vítimas fatais aconteceram no trecho entre Feira de Santana e Ipirá; no km 26 da BA 052, no trecho Candeias x BR 324; na BA 120, trecho Riachão do Jacuípe x Coité; no km 47 da BA 506, no trecho compreendido entre Imbé X Entre Rios; e no km 15 da BA 001(Ilha de Itaparica), trecho Mucuri x BA 001. Conforme o balanço, este ano, houve um incremento de 95% no número de abordagens em relação a 2016, passando de 5.230 para 10.212. Na operação, 60 veículos ficaram retidos e 31 carteiras nacionais de habilitação (CNHs) foram recolhidas, além de 24 certificados de registro e licenciamento de veículos (CRLV). Ainda na nota da PM, 1.573 veículos foram autuados e foram registrados 1.696 autos de infração de trânsito. Em 600 testes com utilização de etilômetro, seis motoristas foram flagrados sob efeito de álcool. Sete condutores acabaram autuados pela recusa em fazer o teste.

Foto: Tiago Caldas/ Ag. Haack/ Bahia Notícias

por Bárbara Gomes / Júlia Vigné

Diante dos comentários de que teria se recusado a cantar em frente ao camarote da Polícia Militar (veja aqui), a cantora Daniela Mercury resolver dar a sua versão dos fatos. De acordo com ela, um fiscal de pista da Empresa Salvador Turismo (Saltur) informou, na altura do quartel, que o trajeto terminava ali e que Daniela deveria sair rápido por conta das Muquiranas, que viria logo atrás dela. Dessa forma, continua, Daniela foi orientada a parar de cantar pela produção e desceu sem ver que tinha um camarote à frente. "Foi quando começou uma gritaria e ela achou que era uma briga. Foi olhar e se surpreendeu ao ser xingada por quem estava no camarote. O trio já estava sendo desmontado, a mesa de áudio estava sendo desligada, ela pediu para ligar de novo e pegou o microfone para explicar às pessoas do camarote que tinha parado por orientação da Saltur e foi ainda mais agredida", disse a assessoria da cantora. Eles contam que a cantora pediu que o trio fosse montado novamente, o que teria demorado por volta de 15 minutos, e continuou cantando por mais 30 minutos. "Na verdade, ela que foi gratuitamente agredida sem nem entender o que havia acontecido. Não tem motivo nenhum para não cantar para qualquer camarote, muito menos o da PM, para quem ela fez campanha ano passado e tem uma ótima relação", afirmou.

Foto: Reprodução / Instagram

 

Depois de comprar todo algodão doce na mão de um vendedor ambulante e distribuir aos foliões no Circuito Dodô no último domingo (26), Ivete Sangalo voltou a surpreender os fãs nesta terça-feira (28), último dia oficial do Carnaval. A surpresa, no entanto, não foi de cima do trio e foi percebida por pouca gente no momento em que aconteceu. Com um grupo de amigos, a cantora se vestiu de palhaço e caminhou pelas ruas da Barra-Ondina sem seguranças, no meio da pipoca. Com a fantasia, cara pintada e óculos escuros, muita gente nem sequer notou a presença de Ivete no grupo. A surpresa só foi revelada aos fãs poucas horas depois, quando ela postou no Instagram a rota que fez usando o disfarce. "E pra fechar com chave de ouro o meu carnaval , amigos reunidos na pipoca da minha cidade Salvador! Que farra boa. Sai do Farol da Barra e fui ver de pertinho @xanddyharmonia voltei peguei @durvallelys fui até ondina voltei peguei @claudialeitte voltei peguei @armandinhomacedo e depois fui me divertir no @camarotecluboficial . Meus amigos que eu amo foram junto comigo e foi demais!!! Feliz carnaval!!!! #carnavalcomivete #odoce", escreveu na legenda da foto em que aparece com um grupo de mais de vinte pessoas, todas fantasiadas de palhaço. A postagem, publicada há pouco mais de uma hora no Instagram, já acumula mais de 84 mil curtidas e diversos comentários incrédulos. "NÃO ACREDITO KKKKKKKKK", "Muito show! Vc é o que transmite! Super verdadeira e simples! Kd vez mais te admiro. E imagino A sensação de felicidade em poder fazer isso! Que Deus abençoe vc e sua família!!!!", "Queria estar no meio dessa turma! #Amooo" foram alguns deles. E no meio da farra, teve também declaração de amor ao marido, Daniel Cady. "Eu e ele ❤️❤️ @danielcady pipoquinha boa!CARNAVAL no chão, pulando sem parar !!! Melhor carnaval de todos os tempos!", postou na legenda de outra foto em que só aparecem os dois fantasiados de palhaços. 

Foto: reprodução

Já está disponível aos mais de 26 mil servidores estaduais baianos, que atuam na área de segurança pública, o pagamento das diárias relativas ao plantão de Carnaval. O montante investido, como parte das ações de valorização do funcionalismo estadual do Governo da Bahia, chega a quase R$ 27 milhões e atende servidores da Secretaria da Segurança Pública (SSP), Polícia Militar e Polícia Civil, Corpo de Bombeiros, Departamento de Polícia Técnica (DPT) e Casa Militar. No dia 9 de fevereiro, o governador Rui Costa anunciou em seu Facebook reajuste de 6,29% no valor das diárias dos plantões de Carnaval em 2017, com base na variação do Índice de Preços ao Consumidor Ampliado (IPCA) de 2016. Na mesma postagem, foi informado o encaminhamento de projeto de lei à Assembleia Legislativa da Bahia (Alba), que estabelece novos critérios para a concessão do Prêmio por Desempenho Policial (PDP). O projeto de lei foi entregue no dia 17 de fevereiro. O pagamento dos proventos aos demais servidores estaduais será feito no dia 24 de fevereiro, antes dos festejos momescos. A tabela de pagamentos do funcionalismo foi publicada no Diário Oficial do Estado (DOE) de 12 de janeiro.

 

Foto: Divulgação

O Instituto Baiano de Metrologia e Qualidade (Ibametro), órgão delegado do Inmetro na Bahia e autarquia ligada a Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE), reprovou 27,6% das bebidas fiscalizadas na Operação Carnaval. Entre elas, marcas diversas de cerveja, refrigerante, suco e cachaça, item que teve  maior índice de reprovação. A Operação foi realizada de 13 a 15 de fevereiro, na capital baiana, com inspeção em estabelecimentos comerciais como supermercados e mercadinhos de bairro. Os produtos foram reprovados no aspecto quantitativo, ou seja, as bebidas estavam sendo vendidas com a quantidade abaixo do indicado no rótulo, lesando o consumidor. Todas as empresas foram notificadas e deverão responder pelas irregularidades. “Fazemos a fiscalização desses produtos durante todo o ano, mas intensificamos no período em função do aumento do consumo pela população. Estamos de olho nas empresas que aproveitam as festas para aumentar seu lucro prejudicando o cidadão”, alerta o diretor-geral do Ibametro, Randerson Leal. Os fiscais recolheram amostras de várias marcas de bebidas alcóolicas e não alcóolicas, que foram submetidas a exame metrológico em laboratório. As empresas têm até dez dias para apresentar defesa. Não sendo acatada a defesa, o órgão aplica a multa que varia de R$ 100 a R$ 1,5 milhão, levando em conta os critérios de reincidência, porte físico, grau de irregularidade e se houve tentativa de impedimento da fiscalização. A Operação incluiu ainda a fiscalização de camisinha, produto de certificação compulsória que somente pode ser comercializado com o Selo do Inmetro. “Uma camisinha não conforme pode trazer desde uma gravidez indesejada até as chamadas DSTs - doenças sexualmente transmissíveis”, destaca Leal No caso do preservativo masculino, a fiscalização verificou se o produto trazia na embalagem o Selo do Inmetro, um atestado de que passou por testes diversos e está adequado ao uso. O diretor explica que é importante checar também o prazo da validade e se a embalagem está intacta, sem alterações como rasgos e arranhões. Não foram encontradas irregularidades na fiscalização desse item. Os consumidores podem denunciar produtos suspeitos para a Ouvidoria do Ibametro pelo telefone 0800 071 1888 (ligação gratuita). Todas as denúncias são apuradas pelo órgão.

Páginas