Foto: Reprodução / OPAS

A Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab) confirmou a segunda morte por malária na Bahia esse ano. A vítima foi um homem de 33 anos, cuja morte já estava sob investigação. A informação foi divulgada pelo órgão no início da noite da última quarta-feira (24). O órgão de saúde havia informado que o morador da cidade de Wenceslau Guimarães, no baixo sul do estado, não passou por análise laboratorial e mesmo sem a realização do exame no corpo da vítima, que já havia sido enterrado, diagnosticou a causa da morte com o critério clínico e também levando em consideração o surto da doença que é enfrentado pelo município. De acordo com o G1, na cidade, mais de 300 moradores já fizeram tese para saber se têm a malária após apresentarem sintomas suspeitos. O número de casos confirmados de malária na Bahia subiu para 22 e todos foram registrados em Wenceslau Guimarães. Um laboratório foi montado no hospital da cidade para fazer testes, cujos resultados são colhidos na hora.

Foto: reprodução

por Correio 24 horas,

Uma das maiores lideranças do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na Bahia, Marcio Oliveira Matos, 33, foi assassinada com vários tiros na frente do filho de 6 anos na noite de quarta-feira (24), em Iramaia, na Chapada Diamantina. Segundo o MST, o crime ocorreu no início da noite, quando dois homens chegaram na porta da casa do líder dos sem terra em uma moto e o chamaram, já recebendo-o com tiros. Os criminosos não foram identificados.  A cena, de acordo com o coordenador estadual do MST na Bahia, Evanildo Costa, foi presenciada pelo filho de 6 anos, única pessoa em companhia de Márcio na casa no momento do crime – o sem terra estava separado há quase um ano. Márcio, que ocupava o cargo de secretário de Administração da Prefeitura de Itaetê, cidade da Chapada governada pelo petista Valdes Brito e  morava no Projeto Assentamento Boa Sorte, que existe há mais de dez anos na zona rural de Iramaia. Márcio Matos era uma das maiores lideranças do MST na Bahia, já tendo sido coordenador estadual do movimento e integrante da executiva nacional. Ele é filho do ex-prefeito de Vitória da Conquista, Jadiel Matos, já falecido e que governou a terceira maior cidade da Bahia de 1972 a 1976. O governador Rui Costa (PT), de quem Márcio era próximo, se manifestou por meio das redes sociais. Ele lamentou o assassinato do líder sem terra, “conhecido pela firme luta em defesa da igualdade social”. “Tão logo soube da triste notícia, determinei à Secretaria de Segurança Pública a imediata e rigorosa apuração do crime. Meus sentimentos de pesar aos amigos e familiares neste momento de profunda dor”, escreveu o governador. O ex-governador da Bahia, Jaques Wagner também prestou homenagem a Márcio. "A morte de Marcinho nos provoca enorme tristeza. Jovem, comprometido e idealista, Márcio Matos será sempre uma inspiração. Deixo um abraço aos familiares, amigos e companheiros", publicou no Twitter. O corpo de Márcio Matos foi levado para o Departamento de Polícia Técnica de Jequié e será sepultado em Vitória da Conquista. O velório e sepultamento ainda não tem data marcada. A reportagem não conseguiu contato com a delegacia de Iramaia.

Foto: André Borges/Agência Brasília

Cerca de 2,6 milhões de pessoas ainda precisam ser vacinadas na Bahia para o estado cumprir a meta de imunizar 95% da população de 105 municípios baianos. De acordo com levantamento feito pelo jornal Correio junto à Secretaria da Saúde do Estado, metade delas está em Salvador, que ainda precisa vacinar aproximadamente 50,7% da população, o equivalente a 1,338 milhão de pessoas. A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) aponta que tem doses suficientes para atender todo o público. Entre as 105 cidades baianas que precisam cumprir a cobertura de 95%, estipulada pelo Ministério da Saúde, apenas 11 já alcançaram o índice. Os dados da Sesab levam em conta imunizações dos últimos dez anos. No entanto, não há previsão de punição para os estados e municípios que não alcançarem a meta. Ainda segundo dados divulgados pelo Correio nesta quinta-feira (18), o município de São Miguel das Matas registra o pior índice de imunização, com apenas 27,5% da população vacinada contra febre amarela. A secretaria de Saúde do município alega que os dados da Sesab estão desatualizados. Na outra ponta da lista, Jaborandi tem 122,5% da população imunizada. O "excedente" de 22,5% corresponde à vacinação de turistas e moradores de municípios vizinhos.

Foto: reprodução

A matrícula da rede estadual segue nesta quarta-feira (17) para estudantes concluintes das séries iniciais e finais do Ensino Fundamental, regularmente matriculados nas redes públicas municipais, no ano letivo de 2017, cujas escolas não oferecem a série subseqüente. Os interessados podem realizar o processo de matrícula em qualquer escola da rede estadual até às 20h, não sendo necessariamente a escola onde pretende estudar. Para o aluno que estudou em escolas municipais de Salvador ou dos 29 municípios do interior credenciados (ver lista abaixo), a matrícula também pode ser realizada pela internet no endereço www.educacao.ba.gov.br/matricula. O processo de matrícula para os estudantes oriundos das redes municipais continua nesta quinta-feira (18). No primeiro dia de matrícula, que atendeu estudantes para transferência de unidades escolares foram registradas mais de 24.500 matrículas em todo o estado. Somado ao número de renovações, realizadas no mês de novembro, a rede estadual de ensino possui, até o momento, mais de 606.700 estudantes matriculados para o ano letivo de 2018. Os documentos necessários são: original do Histórico Escolar ou Atestado de Escolaridade, firmado pela direção da unidade escolar (deve ser substituído pelo Histórico Escolar em até 30 dias); original e cópia da Carteira de Identidade (RG) ou Certidão de Registro Civil; original e cópia do CPF; original e cópia legível com data recente do comprovante de residência (água, luz, telefone fixo ou móvel, gás encanado, Internet, contrato de aluguel, IPTU, dentre outros); e o código do SETPS (que consta no Salvador Card) para as escolas do município de Salvador.

Foto: Reprodução / Instagram Chiclete Oficial

por Júnior Moreira / Ailma Teixeira,

Através de uma postagem nas redes sociais, o Chiclete com Banana confirmou a mudança nos vocais do grupo. Khill, que cantava na banda Patchanka, agora é o novo cantor do Chiclete. Ele assume o posto antes ocupado por Rafa Chaves, que sucedeu Bell Marques a partir de 2013. "É isso aí... A raiz está no chão, está no gueto, está na cor do corpo e da alma. Está na mudança pra o que der e vier. Chic é ser Chiclete. Chicleteiro por inteiro no mundo da dança, que vem do menino filho do bem, que desce rasgando, dançando e cantando no meio da multidão", diz um trecho do anúncio de boas-vindas, publicado pelo perfil da banda no Instagram. Desde que a Patchanka ganhou repercussão no estado, no início dos anos 2000, Khill chamava atenção do público pela semelhança com o tom de voz de Bell. Na época, o cantor ainda usava bandana – marca registrada do veterano, que hoje segue em carreira solo –, só que enrolada na testa. "Se quiser falar, sinta-se à vontade, fale o que quiser, mas nos deixe passar porque a verdade está de pé. Não existe bandido nem mocinho, herói ou vilão, existe sim o tempo certo de dar a volta no mundo para pular o seu muro", completa o Chiclete em outro trecho do texto. A notícia da mudança já vinha sendo repercutida no último fim de semana (veja aqui) e o empresário da Patchanka, Gabriel Cruz, confirmou ao Bahia Notícias que havia uma negociação nesse sentido. Como também é sócio, Khill permanece na gestão dos negócios do grupo. De acordo com Cruz, logo mais eles devem anunciar o novo cantor, que assumirá a banda para as apresentações do Carnaval. Já Chaves integra o projeto Confraria da Música, que reúne outros artistas da cena baiana.

Páginas