Em reunião com prefeitos, Rui discute instalação de policlínica em Vitória da Conquista

Em reunião com prefeitos, Rui discute instalação de policlínica em Vitória da Conquista
Fotos: Mateus Pereira/GOVBA

O governador Rui Costa se reuniu com prefeitos de 11 municípios, nesta terça-feira (19), na Governadoria, em Salvador, para discutir a instalação da policlínica de Vitória da Conquista. Na oportunidade, foram pontuadas questões referentes à construção do equipamento e definição do consórcio que os municípios irão integrar. Durante a reunião ficou definido que um novo encontro será realizado no dia 22 dezembro, em Vitória da Conquista, para assinatura do contrato de criação do consórcio interfederativo de saúde da região. O secretário de Saúde do Estado, Fábio Vilas-Boas, participou da reunião e destacou que cerca de 600 mil baianos serão beneficiados com a instalação da policlínica . “A reunião foi muito proveitosa e no próximo encontro iremos definir os municípios que irão integrar o consórcio de Vitória da Conquista e o de Itabuna, quando também será realizada a assinatura do contrato”, esclarece. A instalação da policlínica irá ofertar serviços que contemplam consultas em até 18 especialidades diferentes, além de exames de ressonância magnética, tomografia computadorizada, ultrassonografia, ecocardiografia, eletroencefalograma, endoscopia e colonoscopia. O prefeito de Iguaí, Ronaldo Moitinho, já sinalizou que irá integrar o consórcio de Vitória da Conquista. “O nosso município fica a cerca de 115 quilômetros de Vitória da Conquista e vai facilitar o acesso da população. Com certeza a policlínica irá resolver vários problemas de saúde de todos os municípios da região. É uma grande conquista”. As policlínicas fazem parte dos Consórcios Públicos de Saúde, iniciativa do Governo do Estado para regionalizar a prestação de serviço de alta qualidade em saúde para a população do interior baiano, evitando, com isso, que os pacientes se desloquem para os grandes centros em busca destes serviços. As obras e os equipamentos das unidades são custeados com recursos financeiros do Governo do Estado, enquanto a manutenção mensal será dividida da seguinte forma: 40% para o Estado e os 60% restantes divididos proporcionalmente entre os municípios consorciados.