Rio de Contas: População, comerciantes e turistas revoltados com mudanças no circuito do carnaval

Rio de Contas: População, comerciantes e turistas revoltados com mudanças no circuito do carnaval
Foto: Nonato Lobo

Uma decisão autoritária da Prefeitura de Rio de Contas, as vésperas do carnaval, pegou de surpresa os moradores da cidade e turistas e pode por em cheque a qualidade do carnaval neste ano de 2018. Na noite desta terça-feira (30), a prefeitura convocou uma reunião pedindo o comparecimento de moradores e comerciantes, onde  comunicou a mudança no circuito de passagem de carros. Até 2017, os carros passavam aos fundos da Igreja de Pedra e da Igreja Matriz, descendo o Largo do Rosário em direção a Praça do Landin e seguindo até a Rua Sete de Setembro. Agora o novo circuito é pela estrada que da acesso a Barragem Luiz Viera, trecho considerado de difícil acesso e perigoso para trafegar principalmente a noite, já que não há iluminação e nem terá segurança policial. Outro questionamento da população é quanto estacionar os carros em alguns lugares do circuito. Donos de hotéis  serão os mais prejudicados, já que segundo o informe, será terminantemente proibido estacionar carros, dentro do circuito, mesmo que para descarregar algo. A decisão desagradou a todos que se sentiram apunhalados pelas costas já que faltando menos de 15 dias para a realização do evento, o comunicado foi feito, e para piorar a situação, a população não pode opinar na decisão. A informação é de que todo e qualquer carro deverá ser colocado em estacionamento, ou seja mais dinheiro será gasto pelo folião, e quem ganhará com isso é a Prefeitura da cidade. Após o anuncio turistas já pensam duas vezes em ir para a cidade. Populares que alugaram casas para este período, estão com medo já que foliões podem não comparecer para cumprir com o contrato de locação formalizado para o período de carnavalesco. O atual panorama é nebuloso  quanto a qualidade do carnaval em Rio de Contas em 2018, principalmente porque uma certeza já se tem, que é a revolta da população, turistas e comerciantes.

Por Nonato Lobo, direto de Rio de Contas