Vacinação contra Febre Aftosa será prorrogada por mais 15 dias

Vacinação contra Febre Aftosa será prorrogada por mais 15 dias
Foto: Divulgação

Em virtude dos últimos acontecimentos no país, a paralisação dos caminhoneiros, a campanha de vacinação contra Febre Aftosa será prorrogada por mais 15 dias. Ou seja, a data anterior era até 31 de maio e, agora, será até 15 de junho. Esse período se estende também para a declaração de vacinação. Essa medida se fez necessária em decorrência do desabastecimento de vacinas observado no terço médio da campanha em algumas regiões do Estado, seguida dos impactos sobre a distribuição e vacinação. Bovinos e bubalinos de todas as faixas etárias deverão ser vacinados e declarados nesta etapa na Agência Estadual de Defesa Agropecuária (ADAB). Os produtores têm até 15 dias para declarar a vacinação junto a ADAB pela internet (www.adab.ba.gov.br) ou nos escritórios da agência distribuídos pelo Estado. Até o dia 21 de maio havia entrado no Estado apenas 7.798.480 doses de vacina contra febre aftosa, das 11.600.000 doses previstas. O estoque é de 4.076.650 doses. Contudo, a maioria estocada nas distribuidoras, devido às restrições de logística para distribuí-las junto aos revendedores. O produtor deverá adquirir as vacinas em uma revendedora autorizada, loja de produtos agropecuários, devidamente, cadastrada na ADAB. A Bahia possui 21 anos livre da Febre Aftosa e busca a manutenção do status de zona livre de febre aftosa concedido à Bahia pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), pelo 17º ano consecutivo. Com esse status, o objetivo agora é evoluir o Estado e todo país para zona Livre de Febre Aftosa, sem vacinação, à partir do ano de 2021. Este é o compromisso junto com o produtor, buscando a valorização da carne, juntos aos mercados mais exigentes. Por isso, é necessário o esforço de todos para manter a taxa de vacinação acima de 90%. Os proprietários que não vacinarem o rebanho durante o período da campanha, e não fizerem a declaração serão multados no valor de R$ 53 por cabeça não vacinada e R$ 160 por propriedade não declarada, ficando impedido de vender ou transportar o rebanho. Por isso, a orientação é não deixar para última hora, evitando a perda dos prazos. É válido ressaltar aos produtores a necessidade da vacina contra a Brucelose. O produtor deverá declarar outros animais como equídeos, ovinos, caprinos, suínos, aves e peixes. Ao manter o cadastro atualizado, o produtor pode ter acesso aos programas do Governo, com distribuição de animais, milho e financiamentos bancários.