Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Todos os funcionários dos Correios brasileiros vão entrar em greve por tempo indeterminado a partir desta quarta-feira (26), às 22h. A paralisação dos trabalhadores acontece por conta da possível privatização que o serviço pode sofrer futuramente, além das ameaças de demissão e do fechamento de diversas agências pelo país, principalmente em cidades do interior. Só em 2016, os Correios alcançaram uma marca de R$ 2 bilhões em prejuízo e, segundo o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, o governo não irá repassar dinheiro para a empresa. Kassab diz ser contra a privatização, no entanto, já afirmou que as unidades terão que sofrer com cortes de gastos, ou o governo terá que privatizar o órgão. As informações são do Varela Notícias. 

O Índice de Confiança do Empresário do Comércio ficou em 102,3 pontos em abril, 2,1% a mais do que o total de março (99,9 pontos). Com o resultado, a confiança superou os 100 pontos em uma escala de zero a 200, e voltou para a chamada zona de avaliação positiva (acima dos 100 pontos). Essa é a primeira vez desde fevereiro de 2015 que o indicador fica na zona positiva. Na comparação com março, a principal melhora ocorreu nas avaliações sobre as condições atuais (5,6%), devido ao aumento de pontos na avaliação sobre o setor (7,2%), sobre a economia (6%) e sobre seu próprio negócio (4,2%).

Foto: Divulgação

No dia 23 de abril, o Subtenente Paulo Souza, Chefe de Instrução do Tiro de Guerra de Brumado participou da Meia Maratona de Porto Seguro na modalidade de 21 Km. O evento também contou com a participação de outros atletas brumadenses que bem representaram a cidade. O atleta brumadense Genaldo Pereira da Silva foi destaque na prova de 10 Km obtendo a primeira colocação com o tempo de 00:34:41 e a atleta Taiane Neto Lima foi a campeã na prova dos 5 Km com o tempo de 00:20:27.

Foto: reprodução

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) determinou na terça-feira o retorno imediato do goleiro Bruno Fernandes à prisão. Em 24 de fevereiro, o ministro Marco Aurélio Mello, do STF, concedeu habeas corpus para libertar o jogador – que foi sentenciado a 22 anos e três meses pelo assassinato de Eliza Samudio, com quem teve um filho. O ministro argumentou que a condenação ainda não foi confirmada em segunda instância e, por isso, o réu poderia recorrer em liberdade. Mas a maioria do colegiado discordou e decidiu mandar o jogador de volta para a prisão. O julgamento terminou com três votos a um. Apenas Marco Aurélio defendeu que o goleiro continuasse em liberdade. Os ministros Alexandre de Moraes, Luiz Fux e Rosa Weber. Ressaltaram que condenações de Tribunais do Júri são soberanas e podem ser executadas imediatamente. Eles também lembraram que, quando a sentença foi fixada, o Tribunal do Júri considerou que o réu agiu de forma fria e planejada, com requintes de crueldade. Para Fux, tratam-se de “fatos gravíssimos”. Luís Roberto Barroso não estava presente.

Foto: reprodução

Por Agência O Globo,

Acordo firmado entre o Instituto Butantan e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai acelerar a produção da primeira vacina brasileira contra a dengue, que deve chegar ao mercado em 2018. O BNDES vai liberar R$ 97,2 milhões para que o instituto, o maior produtor de imunobiológicos do Brasil, construa um novo prédio onde será desenvolvida a vacina contra a doença transmitida pelo mosquito Aedes aegypti. O espaço foi planejado como uma plataforma versátil, na qual também poderão ser produzidos outros tipos de vacina, como as contra a raiva e o zika vírus. Atualmente, apenas o estado do Paraná oferece vacina contra a dengue no Brasil, produzida pelo laboratório internacional Sanofi-Pasteur. A vacina desenvolvida pelo Butantan, em parceria com os Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos (NIH, na sigla em inglês), é produzida a partir de vírus vivos, mas geneticamente enfraquecidos, que induzem o organismo a produzir anticorpos de maneira equilibrada contra os quatro tipos de dengue. A pesquisa clínica está na última fase de testes antes de a vacina ser submetida à avaliação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Se aprovada, ela passará a ser produzida em larga escala e disponibilizada para campanhas de imunização em massa na rede pública de saúde do Brasil. Nesta etapa da pesquisa, os estudos visam à comprovação da eficácia da vacina. Os resultados das duas primeiras fases foram positivos. A estimativa do Instituto Butantan é que todos os participantes da última fase de testes clínicos estejam vacinados ainda este ano, e que a vacina esteja disponível para registro até 2018.

Páginas