Foto: MARCELO GONÇALVES / SIGMAPRESS / ESTADÃO CONTEÚDO

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) suspendeu hoje (13), de forma cautelar, a RQ Serviços Aéreos Especializados, empresa dona do helicóptero que caiu na última segunda-feira (11), em um dos acessos da Rodovia Anhanguera, que liga a capital paulista, ao interior. Na queda morreram o jornalista Ricardo Boechat e o piloto da aeronave, Ronaldo Quatrucci. Com a suspensão, a empresa fica proibida de operar. De acordo com a agência a suspensão de deu em razão de "indícios de prática irregular de táxi-aéreo". O processo de investigação foi aberto na própria segunda-feira para constatar o tipo de serviço que estava sendo prestado com a aeronave de prefixo PT-HPG no momento do acidente. O helicóptero acidentado é um modelo monomotor com capacidade máxima de quatro passageiros mais a tripulação, da fabricante Bell Helicopter. A aeronave, de matrícula PT-HPG, era de propriedade da RQ Servicos Aereos Especializados LTDA. "A RQ Serviços Aéreos Especializados possuía autorização para prestar serviços especializados, como aerofotografia e aerocinematografia. A empresa, no entanto, não possuía autorização para executar o serviço de transporte remunerado de passageiros, prática exclusiva de empresas certificadas como táxi-aéreo", disse a Anac. A agência reguladora informou que as empresas envolvidas na contratação do serviço foram oficiadas pela Anac e terão cinco dias úteis, a partir da publicação no Diário Oficial da União, para prestarem esclarecimentos e apresentarem a documentação que comprove o tipo de contratação. Foram oficiadas as empresas Libbs Industria Farmacêutica, Zum Brazil Eventos e a própria RQ Serviços Aéreos Especializados. O acidente ocorreu quando o jornalista voltava de Campinas (SP), onde havia participado de um evento. Pouco depois da queda, a Anac divulgou nota afirmando que o helicóptero se encontrava em situação regular junto a agência reguladora.  De acordo com a Anac, dados do Registro Aeronáutico Brasileiro (RAB) mostram que o helicóptero estava com o Certificado de Aeronavegabilidade (CA) válido até maio de 2023 e a Inspeção Anual de Manutenção (IAM) em dia até maio de 2019, ou seja, a aeronave estava em situação regular. A Anac disse que informações oficias da Aeronáutica confirmam que as licenças e habilitações de Quatrucci de piloto comercial de helicóptero (PCH) estavam válidas.

Por Luciano Nascimento - Repórter da Agência Brasil

Foto: Reprodução / TV Globo

Especialistas apontam que um problema técnico inesperado no motor, como perda de potência, pane elétrica ou falha em uma peça, pode ter sido o motivo que levou o piloto do helicóptero que estava o jornalista Ricardo Boechat, Ronaldo Quattrucci, a tentar um pouso forçado. O helicóptero bateu em um caminhão, na Rodovia Anhanguera, em São Paulo. O caminhão estava  a uma velocidade de 40 km/h, segundo o motorista em depoimento à polícia. O portal G1 pediu que peritos e investigadores analisassem imagens e vídeos do acidente. Os especialistas apontaram que Quattrucci deve ter se deparado com uma falha no motor ou no rotor e optado por um procedimento de urgência chamado de “autorrotação”. A técnica consiste na tentativa de forçar um pouso e, em seguida, deslizar sobre uma superfície, "correndo" de forma semelhante a um avião. O objetivo é que, mesmo que haja a destruição da aeronave, os tripulantes e passageiros sobrevivam. As informações são do Bahia Notícias. 

Foto: reprodução

Por Bahia Notícias, 

O deputado federal Eduardo da Fonte (PP-PE) apresentou um projeto de lei para que mulheres possam adquirir spray de pimenta e armas de eletrochoque. Segundo o jornal Estado de São Paulo, o texto assinala que o porte dos equipamentos é destinado somente a maiores de 18 anos, para “proteção pessoal”. “Os estabelecimentos responsáveis pela comercialização de spray de pimenta e de armas de incapacitação neuromuscular (armas de eletrochoque) deverão manter, pelo prazo mínimo de 60 (sessenta) meses, banco de dados com o registro cadastral das adquirentes, que será encaminhado à Polícia Civil do respectivo Estado federado”, ressalta. 

Foto: reprodução

O horário de verão termina às 23h59 deste sábado, dia 16 de fevereiro. A partir de domingo, moradores de 10 estados (incluindo São Paulo) e do Distrito Federal terão que atrasar seus relógios em uma hora. O horário de verão de 2018 começou no dia 4 de novembro, um pouco mais tarde do que o habitual devido ao Decreto do Presidente Michel Temer, que estabeleceu que o período não tivesse início entre os turnos das eleições. O horário sempre gera polêmica entre a população e no ano passado muitos tiveram problemas devido a alterações nos horários dos celulares. Deste modo, além de atrasar os relógios em uma hora, é importante ficar atento aos horários marcados nos smartphones. O ajuste vale para as regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste do país: São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal.

Foto: reprodução / Google

Por Agência Brasil,

As granjas brasileiras registraram a produção de 928,42 milhões de dúzias de ovos no quarto trimestre de 2018. Segundo dados divulgados hoje (12) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), esse é o maior valor da série da histórica da pesquisa, iniciada em 1987. A produção de ovos do quarto trimestre foi 1% maior do que a registrada no terceiro trimestre e 8,2% superior ao resultado do quarto trimestre de 2017. A pesquisa também analisa as aquisições de leite e de couro pelas unidades beneficiadoras do país. A aquisição de leite registrou aumentos de 7,2% em relação ao terceiro trimestre de 2018 e de 2,5% na comparação com o quarto trimestre de 2017. Já a aquisição de couro teve queda de 2,1% em relação ao terceiro trimestre e alta de 2% em relação ao quarto trimestre do ano anterior. O IBGE também divulgou hoje as pesquisas de abates de bovinos, suínos e de frangos. O abate de bovinos chegou a 8,09 milhões de cabeças de bovinos no quarto trimestre de 2018, uma queda de 2,3% na comparação com o terceiro trimestre. O resultado é 0,4% maior do que o do quarto trimestre de 2017. No quarto trimestre de 2018, foram abatidas 11,1 milhões de cabeças de suínos, representando queda de 4,0% em relação ao trimestre imediatamente anterior e um crescimento de 0,4% na comparação com o mesmo período de 2017. No país, foram abatidas 1,42 bilhão de cabeças de frangos, no quarto trimestre de 2018. Esse resultado significou queda em relação ao trimestre imediatamente anterior (-0,7%) e ao mesmo período de 2017 (-0,9%).

Páginas