Foto: Se liga Brumado

O presidente Michel Temer confirmou que a proposta de reforma da Previdência feita pelo governo reduzirá de 49 para 40 anos tempo de contribuição para aposentadoria com salário integral. “Acabou aquela história de precisar 49 anos para poder se aposentar. [O tempo máximo de contribuição] caiu para 40 anos”, disse Temer em entrevista ao telejornal SBT Brasil. De acordo com a nova regra, explicada pelo presidente na entrevista, o trabalhador poderia se aposentar com 25 anos de contribuição, recebendo 70% do salário. A partir daí, haveria um aumento progressivo do valor da aposentadoria para cada ano trabalhado. Nos cinco anos seguintes, 1,5% a mais e, a partir dos 31 anos de contribuição, o trabalhador teria um aumento de 2% no valor da aposentadoria. A possibilidade de mudança havia sido adiantada pelo presidente da Comissão Especial da Reforma da Previdência na Câmara dos Deputados, Carlos Marun (PMDB-MS). O deputado, no entanto, não tinha entrado em detalhes sobre o tamanho da redução no tempo de contribuição. Temer admitiu que o governo poderá propor uma idade mínima para mulheres menor que 65 anos. Ele disse que “não é improvável” haver uma mudança nesse sentido. “Não é improvável que nós tenhamos um tempo de contribuição menor para as mulheres”, disse o presidente. O presidente se reuniu com a bancada feminina da base aliada no final da tarde de hoje, junto com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, o relator da comissão da reforma, Arthur Maia (PPS-BA), Marun, e outros membros da equipe que vem participando das várias reuniões sobre o tema. A idade mínima é, como disse o próprio Michel Temer, a “espinha dorsal” do texto da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287/16, que trata da reforma da Previdência. O governo, para aprovar o texto, vem cedendo, como nos cinco pontos anunciados por Maia no início de abril, e no tempo de contribuição. As mudanças, nas contas da área econômica do governo, vai tirar R$ 200 bilhões da capacidade de redução do déficit da Previdência. “Pela área econômica, no projeto original haveria, no período de dez anos, uma redução no déficit de R$ 800 bilhões. Com essas negociações que foram feitas, acho que a redução cai para R$ 600 bilhões. A pergunta que se faz é a seguinte: é melhor reduzir o déficit em R$ 600 bilhões ou não fazer nada? Evidentemente que é melhor reduzir o déficit em R$ 600 bilhões”, disse Temer.

Foto: reprodução

Cada vez mais rejeitado pela população, Michel Temer (PMDB) chegou a um dígito de popularidade, com apenas 9% de ótimo ou bom na última pesquisa do Ibope. Essa pesquisa, divulgada pelo Estado de S. Paulo, foi fechada antes da divulgação das delações da Odebrecht, em que Temer e oito de seus ministros foram citados. Embora defensores do peemedebista ressaltem que a desaprovação é geral, contra todos os políticos, com o presidente a situação parece ser mais grave. A pesquisa mostrou que a média de ótimo e bom dos governadores é de 22%. A dos novos prefeitos é mais de quatro vezes superior, em 37%. Em uma análise temporal, o quadro segue crítico. Se comparado com os resultados da pesquisa de 2015 – quando o Ibope avaliou as três esferas do governo ao mesmo tempo pela última vez –, Temer é o único que sai em baixa. No âmbito nacional, o ótimo e bom dos governadores cresceu três pontos. Já o dos prefeitos saltou 13 pontos porque os recém-eleitos foram empossados há 100 dias. As informações são do Bahia Noticias.

Foto: reprodução

Por Agência Brasil,

Começa hoje (17) a mobilização nacional de vacinação contra a gripe. A campanha deste ano inclui, pela primeira vez, os profissionais de educação no grupo prioritário. Cerca de 2,3 milhões de professores de escolas das redes pública e privada devem ser imunizados nos postos de saúde de todo o país. Nos dias 2 e 3 de maio, os docentes serão vacinados nas escolas. Idosos, trabalhadores do setor de saúde, crianças de 6 meses até 5 anos, gestantes, mulheres no pós-parto, indígenas, população privada de liberdade, inclusive os adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa, e pessoas com doenças crônicas continuam como público-alvo da vacinação.mA vacina permite a proteção contra os vírus A(H1N1), H3N2 e influenza B. Como os vírus são mutantes, a composição da vacina é feita somente depois da indicação da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre as cepas (variações dos vírus) que circularam com mais frequência nos últimos meses na região. Segundo a OMS, em 2016 a cepa do vírus A(H1N1) foi alterada, o que levou à produção de uma nova composição para a campanha deste ano. Cerca de 60 milhões de doses serão distribuídas aos postos da rede pública de saúde. O Ministério da Saúde espera que pelo menos 54 milhões de pessoas sejam imunizadas até o dia 26 de maio, prazo final da campanha. O dia D da mobilização será em 13 de maio.  O principal objetivo da campanha é reduzir as hospitalizações e a ocorrência de mortes relacionadas à influenza. Segundo o Ministério da Saúde, estudos demonstram que a vacinação pode reduzir entre 32% e 45% o número de internações por pneumonia e de 39% a 75% a mortalidade por complicações da gripe. Em 2016, o país registrou a maior incidência dos casos de gripe desde a pandemia iniciada em 2009. Mais de 2.200 pessoas morreram no ano passado por problemas relacionados à gripe. De janeiro a abril deste ano ocorreram 48 mortes. Apesar de a incidência de casos estar num ritmo bem menor do que o registrado no ano passado, o Ministério da Saúde alerta para a necessidade de se vacinar o quanto antes e garantir que a proteção seja efetiva no período de maior vulnerabilidade, o inverno. Além de buscar a imunização, o Ministério recomenda que a população lave as mãos várias vezes ao dia, cubra o nariz e a boca ao tossir e espirrar, evite tocar o rosto, não compartilhe objetos de uso pessoal, mantenha os ambientes bem ventilados e evite a permanência em locais com aglomeração.

Foto: reprodução

O cantor cearense Wesley Safadão gravou neste final de semana seu quinto DVD, em Miami, nos Estados Unidos. Além de diversas faixas inéditas, o álbum apresentará uma outra novidade ao público: o novo cabelo de Safadão.Conhecido pelas longas madeixas, que posteriormente passariam a ser usadas em um coque, o forrozeiro decidiu apostar agora em um corte curto. "Quando comecei a cantar, aos 14 anos, meu cabelo já estava comprido. Na época todos os cantores da região usavam os cabelos longos, era a moda e depois veio à fase do coque e foi ficando. Meu cabelo virou uma espécie de marca registrada. Quando o projeto de Miami começou eu sabia que estava entrando em uma nova etapa na minha vida e carreira, graças a Deus com tantas transformações chegou o momento da mudança", afirmou. Os cabelos longos eram frutos de uma promessa feita pela mãe de Safadão quanto ele tinha apenas três anos de idade. Na época, ele teve uma grave pneumonia e dona Bill prometeu que só permitiria que ele cortasse os cabelos quando as madeixas chegassem aos ombros. Quando Wesley completou oito anos, a promessa foi paga na cidade de Canindé, no interior do Ceará. A circulação das imagens do show fez o assunto se tornar um dos tópicos mais comentados do Twitter, virando inclusive memes em várias páginas famosas do facebook.

Em entrevista à rádio Metrópole na manhã desta quinta-feira (13), o ex-presidente Lula disse estar convicto que não será preso, já que não haveria provas de que ele tenha cometido qualquer ilegalidade. ”Tenho confiança que não vou ser preso porque não cometi crime. Denúncia tem que ser feita na sala do juiz, o último vazamento foi um absurdo. A delação, antes de ser avaliada, já vai para a imprensa. Não é possível. Com a imprensa denunciando todos os dias, me pergunto: a Justiça está correta? Não podemos ter uma ditadura do Judiciário”, frisou. Admitindo que poderá ser candidato à Presidência em 2018, Lula declarou que quer “ajudar a construir um mundo democrático em que as pessoas aprendam a conviver na diversidade”, em referência à polarização existente no país. “A política existe para você conversar, negociar, fazer acordos… A política pode mudar em 2018, está nas mãos do povo eleger gente boa. O que não pode é esse Congresso que está aí destruindo direitos trabalhistas conquistados em 1946”, acrescentou.

Páginas