Foto: Divulgação

A partir de hoje (2), uma nova Carteira Nacional de Habilitação (CNH) será entregue aos condutores com visual diferente e mais requisitos de segurança. As mudanças serão válidas para os novos documentos, por isso os condutores não precisam fazer a troca. As carteiras atuais serão reconhecidas até a validade ou até que o condutor solicite alguma alteração de dado. Uma resolução do Conselho Nacional de Trânsito, de maio de 2016, deu prazo até 31 de dezembro para que os departamentos nacionais de Trânsito dos estados e do Distrito Federal se adequassem aos novos procedimentos. Mas a mudança causa impacto apenas no visual da CNH, os procedimentos para obter a habilitação permanecem os mesmos. Produzida por empresas credenciadas, em modelo único, a CNH terá papel com marca d´água, tintas de variação ótica e fluorescente e imagens secretas. Os itens de controle de segurança incluem ainda mais elementos em relevo e em microimpressão. O fundo do documento ficará mais amarelado. A tarja azulada, que fica no topo do documento, passará a ser preta e trará o mapa do estado responsável pela emissão do lado direito. No lado esquerdo, sob o Brasão da República, aparecerá a imagem do mapa do Brasil. A nova CNH terá ainda duas sequências de números de identificação nacional – do Registro Nacional e do Espelho da CNH - e uma de identificação estadual – do Registro Nacional de Condutores Habilitados (Renach).

 

Foto: reprodução

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) anunciou hoje (30) que a bandeira tarifária para o mês de janeiro será a verde, sem cobrança extra dos consumidores. A decisão é baseada em relatório do Operador Nacional do Sistema (ONS), que aponta que a condição hidrológica está mais favorável. De janeiro de 2015, quando o sistema de bandeiras tarifárias foi implementado – até fevereiro deste ano, a bandeira se manteve vermelha, primeiramente com cobrança de R$ 4,50 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos e, depois, com a bandeira vermelha patamar 1, que significa acréscimo de R$ 3,00 a cada 100 kWh. Em março, passou para amarela, com custo extra de R$ 1,50 a cada 100 kWh; de abril a outubro ficou verde, sem cobrança extra. No mês passado, a bandeira passou para a cor amarela novamente e em dezembro está verde. O sistema de bandeiras tarifárias foi criado como forma de recompor os gastos extras com a utilização de energia de usinas termelétricas, que é mais cara do que a energia de hidrelétricas. A cor da bandeira em vigor no mês da cobrança é impressa na conta de luz (vermelha, amarela ou verde) e indica o custo da energia elétrica, em função das condições de geração de eletricidade. Por exemplo, quando chove menos, os reservatórios das hidrelétricas ficam mais vazios e é preciso acionar mais termelétricas para garantir o suprimento de energia.

Foto: Se liga Brumado

As apostas para a Mega-Sena da Virada podem ser feitas hoje até as 14h (horário de Brasília) em qualquer casa lotérica do país. O prêmio está acumulado em R$ 225 milhões e pode aumentar até a hora do sorteio, previsto para as 21h. O valor do jogo varia de acordo com a quantidade de números escolhidos. A aposta mínima, para quem joga seis números, custa R$ 3,5. O valor aumenta para cada número escolhido. Para jogar 15 números, o máximo possível, o valor da aposta é R$ 17.517,50. No caso do Bolão Caixa, que é a aposta feita em grupo, o valor mínimo é de R$10 nas casas lotéricas. O prêmio faz parte dos sonhos de milhões de brasileiros, mas a probabilidade de acerto na Mega- Sena é muito pequena. Para quem joga seis dezenas, a chance de ser sorteado é de uma em 50.063.860. Já para quem aposta 15 números, a chance sobe para 1 em 10 mil. A premiação da Mega da Virada é distribuída por três faixas, para quem acerta seis, cinco e quatro números. Se ninguém acertar as seis dezenas, o prêmio é dividido com os que acertaram cinco números. Não havendo acertadores de cinco, o prêmio é rateado entre os que acertaram quatro números. Desde 2009, quando ocorreu o primeiro concurso da Mega Sena da Virada, 28 brasileiros acertaram as seis dezenas. No primeiro ano, o prêmio de R$ 144,9 milhões foi dividido entre dois vencedores. Em 2015, houve o maior número de vencedores na faixa principal: seis apostadores (três deles do Espírito Santo) dividiram o valor de RS 247 milhões. Até hoje não houve vencedor solitário na primeira faixa de premiação. Para os que tiram a sorte grande, o prêmio pode ser a garantia de uma vida financeira tranquila. Segundo a Caixa Econômica Federal, os gerentes do banco especializados em atender novos milionários garantem que, fazendo bons investimentos, é possível viver da renda do prêmio, transformando a sorte em segurança financeira. A orientação é que os clientes definam bem seus objetivos antes de gastar, para decidirem, por exemplo, se precisam de mais liquidez ou não, lembrando que quanto menos se tira do montante, maior é o rendimento.

Foto: Getty Images

por Edimário Duplat,

Ninguém segura a Leoa. Em sua primeira defesa de cinturão, Amanda Nunes não tomou conhecimento da norte-americana Ronda Rousey e se manteve com o título peso-galo do Ultimate Fighting Championship. Na luta de encerramento do UFC 207, realizada na madrugada deste sábado (31) em Las Vegas, a baiana Iniciou o confronto tentando chutes e conseguindo acertar socos na sua desafiante, que cambaleou e acabou derrotada pela Leoa em 48 segundos. "Olha, eu realmente treino muito duro. Eu tenho um time que está comigo, olha esses caras aqui. Todos esses caras na academia fazem de mim uma grande lutadora. Tenho que agradecer a American Top Team. Estou em outro nível hoje. É incrível, a gente conversou porque ela (Ronda) fez muito pelo esporte, ela tem uma história. Mas agora eu sou a campeã. Vocês têm que parar com essas coisas de Ronda Rousey, agora a campeã é a Amanda Nunes". Veja abaixo a luta entre Amanda Nunes e Ronda Rousey:

Foto: reprodução

Por Paula Laboissière - Repórter da Agência Brasil,
 

O aumento de casos de microcefalia possivelmente associados à infecção por um vírus ainda pouco conhecido foi identificado no Brasil pela primeira vez em outubro do ano passado. Mas, em 2016, ano em que a relação entre o Zika e a microcefalia deixou de ser dúvida, o número de bebês com a malformação no país ultrapassou a marca de 2 mil.  Em 2016, o problema antes aparentemente limitado à Região Nordeste se alastrou pelo restante do país, atingindo também outras nações e, virtualmente, todo continente americano. O cenário levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a recomendar que as mulheres adiassem a gestação e a declarar, em fevereiro de 2016, emergência global em saúde. A preocupação aumentou em meio a pesquisas que indicam que os efeitos do vírus no bebê podem ir além do quadro de microcefalia – incluindo diversos comprometimentos motores, visuais e auditivos. Em novembro, o Ministério da Saúde anunciou que bebês de mães infectadas durante a gravidez, ainda que não apresentem sintomas no nascimento, serão acompanhados até os 3 anos de idade.

Transmissão sexual: Em fevereiro, os Estados Unidos confirmaram que o vírus também pode ser transmitido sexualmente, aumentando o temor de uma propagação rápida da doença. Conter novos casos de transmissão de Zika por via sexual passou a entrar no rol de esforços da OMS e de governos de todo o mundo para conter a epidemia. A entidade chegou a alertar que a epidemia de Zika poderia afetar entre 3 e 4 milhões de pessoas em todo o Continente Americano. Brasil e a Colômbia foram os países onde mais ocorreram registros de casos de infecção ou suspeita de infecção.

Olimpíadas do Rio: A epidemia do vírus também preocupou autoridades e organizadores envolvidos nos Jogos Olímpicos Rio 2016. O governo brasileiro chegou a enviar cartas a todos os atletas que anunciaram publicamente a não participação dos Jogos temendo o Zika, pedindo que reconsiderassem vir ao país para participar da competição. Após a polêmica, a OMS divulgou nota garantindo que não foram relatados casos confirmados da doença entre participantes do evento, tanto atletas quanto turistas. O Comitê de Emergência sobre Zika e Microcefalia da entidade parabenizou o Brasil pelas medidas de saúde tomadas durante a Olimpíada.

Vacina: Em 2016, o desenvolvimento de vacinas contra o Zika avançou consideravelmente, incluindo testes conduzidos por pelo menos três instituições brasileiras – Fundação Oswaldo Cruz, Instituto Butantã e Instituto Evandro Chagas. Ainda assim, a expectativa mais otimista é que a dose só chegue ao mercado em 2018. Até lá, a principal estratégia de prevenção defendida pelo governo federal continua a ser o combate ao mosquito transmissor, o Aedes aegypti. A OMS orienta ainda que mulheres grávidas utilizem repelentes; optem por roupas leves e de cor clara, que cubram braços e pernas; e não abram mão do preservativo, no intuito de evitar uma possível transmissão sexual do vírus.

Páginas